Thirty Veils of Illusion

Livro de Suzanne Lie PhD

Postado em 21 de maio de 2015

QUANDO A ILUSÃO É REMOVIDA, TUDO QUE PERMANECE É A VERDADE.

A Floresta

A floresta é verde e esplêndida com muitas flores e árvores incomuns. O clima é incomparável, e nisso, é perfeito. Não posso sentir a temperatura externa. A brisa é suave e acariciante como penas macias roçando meu seio, mas nenhum dos arbustos ou flores se move com ela. A umidade parece subir da Terra. Não há córregos nem rios que eu possa encontrar e definitivamente não choveu desde que cheguei; mas tudo apresenta um leve orvalho, até quando os sóis estão no pico.

Nunca há uma escuridão total, pois as três luas são uma iluminação muito eficaz. Uma das coisas mais incomuns é que eu nunca vi uma sombra. Mesmo quando os sóis estão baixo no horizonte não há sombras. E também, os Seres deste lugar não se movimentam. Eles estão num local e então, de repente, eles estão em outro. Eu desejo desesperadamente ter alguém com quem compartilhar isso, mas então, talvez, eu não manteria este diário.

Primeiro, suponho que eu deveria explicar como cheguei neste lugar. Creio que ainda consigo lembrar. Neste lugar o tempo é muito diferente. Não posso nem imaginar quanto tempo estou aqui. Os sóis cruzaram o céu doze vezes, mas não faço a menor ideia de que se assemelhe ao tempo da Terra. Na Terra o dia consiste do nascer e pôr do sol, nascer e pôr da lua, e então há o próximo nascer do sol e é o dia seguinte. Parece muito com o que está acontecendo para mim. Se eu penso que deve ser hora dos sóis se porem, então, quando olho de novo, os sóis se puseram.

Mas, de volta a como cheguei aqui. Até onde posso lembrar, eu estava meditando na praia perto da minha casa na Terra. A primeira vez que vim para cá foi apenas por uns poucos momentos, e de repente, eu estava de volta à praia. Gostei tanto da experiência que tentei outra vez. Da segunda vez eu permaneci aqui um pouco mais. Na terceira vez, eu estava confusa se eu estava lá e vinha para cá ou estava aqui e ia para lá. Foi quando a mudança começou. Eu sabia que podia mudar meu ambiente, mas eu não sabia qual era real e qual era imaginado.

Por fim, fiquei muito cansada por causa do exercício e me deitei (em algum lugar) e dormi. Quando acordei, eu estava aqui. Suponho que poderia voltar à praia se desejasse o suficiente, mas realmente não tenho nem tentado. Estou tão encantada pelas visões e sons deste novo lugar que não desejo, pelo menos por enquanto, ir embora.

Parece que aqui todas as polaridades tornam-se unas. Estou desesperadamente sozinha, mas, simultaneamente, estou muito contente e em paz. Eu amo este lugar, mas simultaneamente eu o odeio. Quanto mais tempo fico aqui, mais eu perco o fenômeno da emoção. Agora estou percebendo que uma sensação de oposição é necessária para a experiência da emoção. E também, percebi que, pelo menos para mim, a emoção e o desejo se entrecruzam. Talvez seja por isso que eu ainda estou aqui. Eu quero estar aqui, mas também não quero estar aqui. Conforme minhas emoções atingem um equilíbrio, meus desejos também alcançam. Portanto, não posso saber se ficarei ou irei embora deste lugar. Com a emoção e o desejo gradualmente saindo da minha vida, eu não sinto o que os substituirá. Talvez, neste lugar, a substituição não seja necessária.

Muitas coisas não estão necessariamente aqui já que não há separação. Quando observo uma flor e coloco minha atenção nela, de repente eu me torno a flor. Entretanto, simultaneamente eu ainda sou eu mesma. Eu mesma? Agora, o que é isso? Antes, “eu mesma” era o que eu sentia ou o que eu queria ou o que eu pensava. Agora há pouca distinção entre esses três aspectos. Como eu penso eu sou então não há desejo, pois não há separação do querer ao ter. Sem separação não há posse, portanto, não há possuidor e nem necessidade de ser possuída. Na Terra havia uma forte distinção entre pensamentos e sentimentos, mas aqui eles são um. Na Terra eu podia pensar sobre minhas emoções ou pensar em esconder minhas emoções ou eu podia ter uma emoção sobre um pensamento. Normalmente, se eu estivesse muito emotiva, eu seria incapaz de pensar. Aqui, estou perdendo essa distinção.

E também, sinto que estou perdendo a capacidade de comunicar desta forma – separar cada pensamento em uma palavra e colocar as palavras em uma linha. Sinto que preciso escrever isso rapidamente enquanto ainda me lembro deste modo de comunicação. Como eu disse antes, aqui se comunica por comunhão. Há uma pequena criatura voadora aqui, mas, como eu já disse, as criaturas não se movimentam aqui. Portanto, por voadora eu quero dizer que a criatura vive no ar. Se eu quero saber como é viver no ar ou falar com essa criatura, eu simplesmente coloco minha atenção nela. E então nós somos um. É difícil explicar como isso acontece. Ainda estou no chão observando a criatura, mas eu também estou no ar me observando. É meio que um sonho terreno em que sou uma participante ou uma observadora.

Tal como as criaturas não se movimentam aqui, eu também não. Eu simplesmente estou aqui e então eu estou lá. Mas é diferente de estar “aqui” ou “ali” na Terra, pois realmente não há limites aqui. Eu vejo uma forma ao meu redor, mas não sou limitada por ela. Suponho que eu poderia mudar de forma, mas ainda estou ligada ao meu corpo terreno. Estou confortável com ele e vou precisar dele se eu desejar voltar. “Desejar”, eu não estou certa do que isso significa agora. Essa palavra está ficando muito abstrata e sem sentido. Muitas coisas que eram significantes na Terra agora não têm importância.

Alimento não é necessário aqui. Nada parece comer, inclusive eu. Não senti fome nem sede e não tive que produzir ou eliminar qualquer material residual. Na verdade, aqui não há material residual. Aqui não há deterioração. Tudo é perfeito e lindo, e então, de repente, se vai e é substituído por alguma outra coisa. Há muitas flores e árvores, mas não encontro uma folha ou flor morta. As folhas não caem no chão, e sim, ficam nas árvores. As flores não se desenvolvem, e sim, aparecem de repente totais e maduras. E então, de repente, elas se vão.

Não há necessidade de uma casa aqui, pois eu não preciso de abrigo ou proteção. Eu também não preciso de um lugar para dormir, pois aqui eu não durmo. Eu não dormi ainda e não sinto fadiga. Minha energia é constante e equilibrada. Na verdade, tudo é equilibrado. Há um espaço para tudo, mas há espaço infinito e há uma sensação de intimidade total com o mundo, porém, simultaneamente, uma sensação de isolamento completo.

Os seres que encontrei aqui até agora não são de modo algum como eu. Quero dizer que eles parecem mais com animais e vegetais. Ainda não experimentei um ser que “parece” com um humano. Meu vocabulário terreno é muito ineficaz para explicar esses fenômenos. Eu não sei o que um ser “parecido com humano” estaria fazendo aqui, mas eu não encontrei um.

Talvez agora seja hora de eu encontrar um. Novamente a linguagem da Terra é incompleta. Eu não posso dizer que é “hora” encontrar alguém. Aqui não há tempo, e não se pode encontrar outro, pois todos nós somos um. Ao dizer essas palavras, começo a vivenciar alguém dentro de mim, mas fora de mim, que “parece” humano. Eu desejo que ele assuma um corpo. Para mim é muito difícil entender um ser sem um corpo.

Ah, oi, você é um ser humano? – eu pergunto.

O ser ri. No início me magoo, mas por apenas um momento e então a emoção desaparece. Não consigo mais manter emoções, agora elas vêm mais como uma lembrança do que uma experiência.

Meu nome, eu acho, é Jay, eu digo.

Aqui nós não temos nomes, ele responde, mas criaremos um para que você fique mais confortável. O que você acha de Rhea? – ele pergunta telepaticamente.

É legal, eu digo, ainda usando minha voz.

Eu sei, diz ele, aqui você não precisa esforçar seu ser por produzir esses sons. Nós sabemos que você deseja se comunicar conosco.

          Eu tenho tantas perguntas a lhe fazer. Você se importa?

          Claro que não, é por isso que estamos aqui.

          Primeiro, eu agora pergunto telepaticamente, por que eu sinto mais separação de você do que de outras criaturas com quem eu comungo?

          Ah, a resposta é porque você pediu. Quando nos comunicamos pela primeira vez com você, nós estávamos comungando, mas você ainda precisava da separação.

          É verdade, eu respondi. Senti muito anormal quando você chegou. Por que não sinto a necessidade de estar separada dos outros, mas preciso me sentir separada de você?

          Ora, ora, você tem muitas perguntas. Você precisa aprender que aqui você também tem as respostas.

Essa ideia é muito estranha para mim. Quero dizer, na Terra eu sabia que tinha uma intuição e me foi dito que eu poderia encontrar minhas próprias respostas, entretanto, eu não acreditava realmente nisso. Eu constantemente lia e estudava e achava as respostas. Até quando eu meditava ou orava, era para outro alguém. Agora eu vagamente me lembro de uma meditação que fiz em outra praia e que me disse para orar, não para Deus, mas para meu Eu Superior. Mas mesmo um Eu Superior era separado do meu corpo terreno. Quando percebi que sabia as respostas e me esqueci de todas as perguntas que ia fazer, eu meramente disse:Você me mostraria os arredores?

            Para onde você gostaria de ir? Como você sabe, não há movimento aqui, então eu não posso lhe oferecer uma excursão como seria na Terra.

          Bem, talvez você possa me mostrar o que as pessoas fazem aqui.

          Ele ri novamente. Aqui nós não fazemos, nós somos. Mas cremos que sabemos o que vocês quer dizer.

          Num instante estamos numa caverna enorme, eu posso sentir a energia de muitos seres, mas somente posso ver padrões rodopiando pelo lugar.

O que eles estão fazendo? – eu pergunto.

Eles estão comungando. Esses seres estão aprendendo o que você em breve aprenderá.

          O que é isso? – pergunto ansiosamente apontando para uma energia rodopiante.

Quantas perguntas. As respostas ficarão evidentes quando você estiver pronta para experimentar.

          Observo a caverna e enxergo as muitas formas diferentes de energia movimentando-se. Pergunto-me se elas têm corpo ou se elas são somente aquilo. Eu sinto a humanidade delas, apesar de que não são humanos. Entretanto, há algo sobre elas que me faz perceber que sou uma delas. Pergunto ao meu guia o que devo fazer em seguida e ele diz: Junte-se a eles.

          Como posso fazer isso? Eu mal os vejo.

          Mal é bom o bastante, ele responde. Apenas vá em frente e ouça com o seu coração, eles a conhecerão e lhe dirão o que fazer.

Então eu sigo na direção, ou melhor, sou atraída, para o centro do grupo. De repente eu sei que é para eu seguir uma pequena luz para algum destino. Enquanto sigo a luz eu me vejo movendo, pela primeira vez, por um salão. A pequena luz fica cada vez mais brilhante conforme me movimento. Começo a perceber que a luz é um ser. Quando percebo, ela vem em minha direção para me saudar. Eu então tenho o sentimento mais eufórico de que posso me lembrar. Eu sou o ser e ele é EU.

Venha. Eu ouço uma voz falar dentro e fora de mim. Tem uma coisa que você precisa saber.

Quando a luz e eu nos movemos até o fim do ambiente, entramos num salão enorme cheio de outras partículas de luz. Algumas dessas luzes pareciam ter corpos vagos ao seu redor e outras não. Agora percebo que meu corpo está muito mais leve do que antes e que ele assumiu uma qualidade translúcida.

Fiz uma busca dentro de mim e ao meu redor para determinar o núcleo desse ser de luz para eu poder perguntar sobre o meu corpo, quando de repente ouço uma resposta muito amorosa.

Sim, minha querida, seu corpo mudou. Ele assumiu uma faixa vibratória muito alta e, portanto, não parece tão denso como antes. Não se preocupe. Muitas respostas virão se você estiver disposta a ouvir antes de perguntar. Este salão, ele continua, está cheio de seres como você que vêm para aprender sobre a Verdade. O ser de luz radiante que está falando agora é um membro das dimensões superiores e chama-se Lady Leto. Escute agora e você ouvirá.

Eu me posiciono no fundo do salão onde posso ouvir uma voz interior clara e melodiosa que de alguma forma eu sei que está irradiando do ser, Lady Leto. Eu sei que ela está falando com todos nós que estão reunidos aqui, mas, ao mesmo tempo, ela está falando com cada um de nós de uma maneira profundamente íntima e pessoal. Eu ouço sua voz dentro de mim e também à distância.

Amados,

                              Eu, Lady Leto, me dirijo a vocês com um amor que está livre de toda ilusão. Estou contente por vocês terem encontrado seu caminho até aqui para participar deste processo de liberação e autoproteção da ilusão. Mas, antes de o fazerem, primeiro vocês precisam entender o que é uma ilusão. Uma ilusão é como um casulo que vocês criam ao redor e dentro de vocês enquanto estão desenvolvendo suas asas e aprendendo como voar.

                              Como vocês criam essas ilusões? Algumas ilusões foram aprendidas com suas figuras de autoridade quando eram crianças e outras vocês criaram do seu medo do desconhecido. Quando vocês estão em uma situação que vocês não têm certeza de que podem enfrentar, vocês criam uma cobertura de alguma coisa que vocês acreditam que podem lidar. Esse processo inicia com a insegurança em sua capacidade de permanecer forte em qualquer situação. Vocês então “desejam” que a situação seja de certa forma, uma forma em que vocês se sentem mais confortáveis. Então esse desejo progride para uma “expectativa”. A expectativa então dirige sua “percepção”.

                              Sempre existem inúmeras possibilidades em qualquer situação e vocês perceberão aquilo que vocês desejam e esperam experimentar. Se vocês vão passear no bosque e desejam e esperam ver pássaros, vocês inconscientemente procurarão por eles e porão sua atenção neles. Se vocês desejam e esperam ver lixo, vocês procurarão por ele e verão principalmente isso. A verdade é que ambos, os pássaros e o lixo, coexistem e vocês escolhem sua realidade por seus desejos, expectativas e percepções consequentes.

                               Vocês podem perguntar: “Por que alguém desejaria ver lixo enquanto passeando no bosque ou desejaria qualquer experiência negativa?” A resposta é – hábito. Vocês aprenderam a se sentir seguro com o conhecido e inseguro com o desconhecido. Se vocês cresceram com negatividade em seu ambiente, vocês aprenderam a se sentir seguros nela. Ela é tudo que vocês conhecem e, portanto, vocês “esperam” negatividade porque vocês “desejam” o conhecido ao invés do desconhecido.

                              Vocês podem acreditar que a ilusão é um problema que vocês têm em corretamente identificar seu mundo externo. Isso é verdade, claro, mas as ilusões sobre o mundo ao seu redor meramente são reflexos das ilusões que vocês criam dentro de vocês a partir de suas opiniões, medos, inseguranças e apegos. Essas impurezas interiores foram criadas pelo seu ambiente passado e projetam uma realidade que parece “como se fosse alguma outra coisa”. Vocês criam essa realidade “como se” porque ela provém de seu “conhecido” e, portanto, parece mais segura. Então vocês veem a vida a partir dessa realidade aparente e tomam decisões de acordo com esse ponto de vida e não de acordo com o ponto de vista de uma mente calma e iluminada e de um coração amoroso. Se vocês conseguem ir para dentro de si para tratar e curar essas impurezas, vocês podem recuperar sua lembrança inerente da Verdade. Essa Verdade pode proporcionar uma segurança além de qualquer ilusão, pois ela é projetada a partir de seu Eu Superior ao invés dos medos e traumas de sua infância e ego.

                              Em nosso Foco etéreo sobre Delos, nós estamos trabalhando rigorosamente com as forças da Verdade e Compreensão de Lady Pallas Athena, a Deusa da Verdade; Mestre Hilarion, o Chohan do Quinto Raio da Verdade e Cura; e o Grande Deus Sol, Apolo. Na realidade, nosso conselho é um ramo da Loja dos Irmãos e Irmãs do Manto Dourado. Permitam-me explicar como nós podemos assisti-los na compreensão de como liberar e se proteger da ilusão.

                             O processo de se tornar um Ser totalmente Divino envolve as lições sutis de equilibrar a natureza divina e masculina de Deus (inspiração – expiração; yin – yang; assimilação – irradiação; amor – poder). Esse equilíbrio das realidades interior (feminino) e exterior (masculino) pode ser mais bem atingido quando vocês são capazes de estar conscientes de dois aspectos seus. Assim que vocês ficam cientes dessas duas partes suas, vocês então podem aprender a equilibrá-las tanto em sua vida “desperta” (masculina) e “adormecida” (feminina). Quanto mais conscientes vocês ficam do aprendizado dessas lições de equilíbrio da energia pessoal, mais depressa os seus eus espirituais são capazes de controlar a mente. Esse aprendizado do equilíbrio floresce ainda mais quando purificação suficiente da natureza interior ocorreu para remover a ilusão aprendida e autocriada.

                              Dois presentes importantes são oferecidos à humanidade para acelerar esse processo evolucionário. O primeiro é a conexão consciente da humanidade aos mestres ascendidos, tal como nós. Esses mestres trilharam o caminho da evolução por muitas encarnações na Terra e são, portanto, capazes de entender e assistir cada um de vocês em sua jornada interior para a mestria.

                              O segundo presente é esse do fogo violeta da transmutação. Esse fogo violeta é uma atividade interna, que está disponível para qualquer chamado direto para estabelecer energia livre em todas as experiências. O fogo violeta é uma força espiritual de vibração muito alta. Toda imperfeição que é encerrada dentro dessa luz será liberada para a fonte original para ser purificada e depois redistribuída para o Universo. Tudo que sobrevive ao fogo violeta com certeza é somente da faixa vibratória mais alta e, portanto, verdade e perfeição divinas. Vocês podem resumir a utilização desse Fogo pela afirmação:

CHAMEJA, CHAMEJA, CHAMEJA O FOGO VIOLETA

TRANSMUTANDO TODA SOMBRA EM

LUZ, LUZ, LUZ

                           As irmãs e irmãos de Delos os assistirão no processo de equilibrar suas vidas interior e exterior por remover um véu de ilusão de sua consciência interior por trinta dias consecutivos. Com a remoção de cada véu eles delicadamente revelarão para vocês a verdade e a compreensão de cada uma dessas ilusões. Pensem nisso, trinta véus de ilusão levantados de sua natureza interna para clarear sua conscientização espiritual. Vocês receberão uma lição importante todos os dias. No trigésimo primeiro dia, nós nos apresentaremos na Comemoração da Colheita Elemental, onde os elementos que constituem seu próprio veículo interior podem apresentar seus presentes de progresso elevado e pureza ao Senhor do Mundo.

                              Todo dia essa cerimônia de purificação começará com vocês sendo levados para um círculo de luz branca onde duas irmãs do meu foco da verdade, quase sem forma em sua irradiação rosa, os ajudará a liberar cada “véu” de seu mundo interior. Então, dois irmãos fora do círculo os assistirão mais. O irmão do foco de Hilarion projetará a verdade correspondente a cada “véu” que é necessária para o seu progresso. Então o irmão do foco de Apolo os assistirá na manifestação do poder da compreensão dessa verdade em sua mente exterior. Eu os ajudarei mais vocês na recordação dessa cerimônia interior em sua consciência exterior. Prestem atenção às lições ensinadas nesse mês. Usem o fogo violeta para liberar toda sombra para que nada possa distraí-los desse serviço à sua vida.

                              Envolvendo vocês como uma mãe que protege seu filho do perigo, eu guardarei seu desenvolvimento espiritual para vocês sentirem-se seguros. Eu não descansarei até que cada um de vocês esteja livre na realidade da paz eterna da “Consciência EU SOU”.

          A grande dama termina seu discurso inspirador, eu sinto uma onda de amor e unidade por todo o grupo. Procuro novamente pelo meu guia para perguntar o que fazer quando ouço uma voz no interior:

Sim, minha querida, você foi convidada para participar dessa cerimônia. Entretanto, você precisa estar disposta a retornar para a Terra entre cada lição para que você possa aterrá-la em seu vestuário físico. Está disposta?

                    Bem, eu digo lentamente, não posso dizer que estou ansiosa para voltar para aquela terra de boxeadores, mas sinto-me muito inspirada pelas palavras de Lady Leto. Suponho que se eu puder aprender a verdadeiramente entender o que ela disse, minha vida lá será mais feliz.

                    Isso é um sim?

                    Sim, eu digo, isso é um sim. E espero não lamentar.

                    Lembre-se, minha querida, responde a voz suavemente, de que qualquer esforço colocado no avanço de sua Alma será para sempre uma parte do seu ser. Quando você for dormir toda noite, chame-nos e providenciaremos para você voltar para cá.

                    Preciso ir embora agora?

Mas enquanto eu falo sinto o salão desaparecer ao meu redor enquanto começo a me sentir mais e mais pesada…

Observação: Texto comentado em Perguntas e Respostas com os Arcturianos 

Fonte: http://suzanneliephd.blogspot.com

Tradução: Blog SINTESE http://blogsintese.blogspot.com

http://blogsintese.blogspot.com.br/2015/06/trechos-de-trinta-veus-da-ilusao.html