Parte I   aqui
Parte II  aqui

Os cristãos são ensinados que o pai de Jesus, José, era um carpinteiro, como explicado nos Evangelhos de língua inglesa. Mas não nos Evangelhos originais.

A melhor tradução realmente afirma que José era um Mestre do Ofício ou Mestre Artesão. A palavra “carpinteiro” era simplesmente um conceito do tradutor para um artesão. Qualquer pessoa associada com a Maçonaria moderna reconhecerá o termo “o Artesão” e não tem nada a ver com trabalhos em madeira.

O texto simplesmente indicava que José era um homem magistral, erudito e sábio.

Outro exemplo é o conceito do Nascimento Virginal. Os Evangelhos de língua inglesa nos dizem que a mãe de Jesus, Maria, era uma “virgem” e, como entendemos a palavra, denota uma mulher sem experiência de união sexual.

Mas isso foi traduzido inicialmente não do grego, mas do latim, que se referia a Ela como sendo uma virgem, significando nada mais do que uma “jovem mulher”. Para significar a mesma coisa que “virgem” hoje, no latim teria sido “virgem intacta” – isto é, uma “jovem mulher intacta”.

Olhando para trás além do texto latino descobrimos que a palavra traduzida para virgem (uma jovem mulher) era a velha palavra semítica almah que significava o mesmo: uma “jovem”, e não tinha qualquer conotação sexual. Se Maria realmente tivesse sido fisicamente virgem intacta, a palavra semítica usada teria sido bethulah, não almah.

Então, estamos completamente equivocados com os Evangelhos?
Não; nós fomos equivocados pelas traduções inglesas dos Evangelhos.

Também por uma determinação da Igreja que tem feito tudo em seu poder para negar às mulheres qualquer estilo de vida normal na história do Evangelho.

Assim, as mulheres-chave do Novo Testamento são retratadas como virgens, prostitutas e às vezes viúvas – mas nunca namoradas, esposas ou mães todos os dias, e certamente nunca Sacerdotisas ou Irmãs Santas.

Não obstante o dogma do nascimento virginal, os evangelhos nos dizem uma e outra vez que Jesus era descendente do rei David por seu pai Josè. Mesmo São Paulo explica isso em sua Epístola aos Hebreus.

Mas os cristãos são ensinados que o pai de Jesus era um humilde carpinteiro, enquanto sua mãe era virgem – o que não pode ser encontrado em qualquer texto original.

Segue-se, portanto, que, para tirar o melhor dos Evangelhos, temos de ler como foram escritos, não como foram interpretados de acordo com a doutrina da Igreja e a linguagem moderna.

Precisamente quando os quatro Evangelhos principais foram escritos é incerto. O que sabemos é que eles foram publicados pela primeira vez em vários estágios na segunda metade do primeiro século. Eles foram unânimes inicialmente em revelar que Jesus era um Nazareno.

Isso é confirmado nos anais romanos. Além disso, as crônicas judaicas do século I, juntamente com os Atos dos Apóstolos da Bíblia, confirma que tanto o irmão de Jesus, Tiago, como São Paulo, eram líderes da seita dos nazarenos.

Esta definição nazarena é muito importante para a história do Graal, porque muitas vezes foi mal interpretada para sugerir que Jesus veio da cidade de Nazaré.

Nos últimos 400 anos, os Evangelhos de língua inglesa perpetuaram o erro ao traduzir erroneamente “Jesus o Nazareno” como “Jesus de Nazaré”, embora não existisse uma conexão histórica entre Nazaré e os nazarenos.

De fato, o assentamento em Nazaré foi estabelecido na década de 60, trinta anos depois da crucificação. Ninguém nos primeiros anos de vida de Jesus veio de Nazaré – não estavam lá! Os nazarenos eram uma seita liberal judaica, contrária ao estrito regime hebraico dos fariseus e saduceus.

A cultura e a língua nazarenas foram fortemente influenciadas pelos filósofos da Grécia antiga e sua comunidade apoiou o conceito de igualdade de oportunidades para homens e mulheres. Documentos da época não se referiam a Nazaré, mas à comunidade nazarena, onde as sacerdotisas coexistiam em igualdade de condições com os sacerdotes.

É preciso lembrar, portanto, que Jesus não era um cristão: ele era um nazareno – um judeu radical e ocidentalizado. O movimento cristão foi fundado por outros na sequência da sua própria missão, com a palavra “cristão” gravada pela primeira vez em 44 dC em Antioquia, Síria.

No mundo árabe, a palavra usada para descrever Jesus e seus seguidores é nazara. Isto é confirmado no Corão islâmico e a palavra significa “guardiões” ou “guardiões”. A definição completa é Nazara ha-Brit: ‘GUARDIÕES DA ALIANÇA’.

No tempo de Jesus, os nazarenos viveram na Galiléia e naquele reino místico que a Bíblia chama de “deserto”, que era na verdade um lugar muito definido. Era essencialmente a terra em torno do estabelecimento principal em Qumrân, que espalhou para fora de Mird e em outros lugares perto do mar. Foi em Qumrân que os Pergaminhos do Mar Morto foram descobertos em 1948.

Algum tempo depois da crucificação, Pedro e seu amigo Paulo foram para Antioquia, e depois para Roma, começando o movimento que se tornou o cristianismo.

Mas Jesus, juntamente com seu irmão Tiago e a maioria dos apóstolos, continuaram os ensinamentos nazarenos, progredindo-os para a Europa, onde foram associados com a IGREJA CELTA. Esta Igreja foi formalmente implementada como a igreja de Jesus em 37 dC, enquanto a Igreja Romana foi formada 300 anos depois.

Através de muitos séculos, a Igreja Celta, com sua cultura nazarena, era diretamente oposta à Igreja de Roma – a principal diferença era que A FÉ CELTA ERA BASEADA NOS ENSINAMENTOS, CÓDIGOS E PRÁTICAS DO PRÓPRIO JESUS.

O cristianismo romano, por outro lado, transformou Jesus no objeto de sua veneração religiosa, deixando seus ensinamentos para criar uma fé “híbrida” imperial para o benefício dos imperadores e papas. Ela existe, de fato, não como cristianismo, mas como “igrejismo”.

Além de mal-entendidos, interpretações errôneas e traduções equivocadas, os Evangelhos canônicos sofrem de inúmeras modificações intencionais.

Algumas entradas originais foram alteradas ou excluídas, enquanto outras entradas foram adicionadas para atender aos interesses da Igreja. A maioria dessas edições e emendas foram feitas no século IV, quando os textos foram traduzidos para o latim de suas línguas originais grega e semítica.

Ainda mais cedo, aproximadamente em 195 dC, Dom Clemente de Alexandria fez a primeira alteração conhecida nos textos evangélicos. Ele apagou uma seção substancial do Evangelho de Marcos (escrito mais de cem anos antes dessa época) e justificou sua ação em uma carta, dizendo: “Pois mesmo se eles disserem alguma coisa verdadeira, quem ama a verdade não deveria concordar com ela, porque nem todas as coisas verdadeiras devem ser ditas a todos os homens.”

O que ele quis dizer é que, mesmo naquela fase inicial, já havia uma discrepância entre o que os escritores do Evangelho tinham escrito e o que os bispos queriam ensinar.

Hoje, esta seção apagada por São Clemente ainda está ausente do Evangelho de Marcos. Mas quando Marcos é comparado com o Evangelho que conhecemos hoje, descobrimos que o Evangelho de hoje é muito mais longo do que o original, tendo feito adições espúrias/apócrifas.

A RESSURREIÇÃO

Uma destas seções adicionais compreende toda a sequência da Ressurreição – totalizando doze versos completos no final de Marcos, capítulo 16. Agora se sabe que tudo aqui contado sobre os eventos após a Crucificação foi adicionado pelos escribas da Igreja em algum momento no final Século IV.

Mas o que exatamente estava nesta seção de Marcos que Clemente achou conveniente remover?

Era o item que tratava de Lázaro. No contexto do texto original de Marcos, Lázaro foi retratado num estado de excomunhão: morte espiritual por decreto, não em estado de morte física.

O relato ainda tinha Lázaro e Jesus chamando um ao outro antes do túmulo ser aberto. Isso, naturalmente, derrotou o desejo dos bispos de retratar a ressurreição de Lázaro como um “milagre” espiritual, não como uma libertação direta da excomunhão.

Mais importante ainda, estabeleceu o cenário para a história da crucificação do próprio Jesus, cuja criação subsequente da morte espiritual foi determinada pela mesma regra de três dias que se aplicava a Lázaro.

Jesus foi ressuscitado da morte por decreto no terceiro dia legal, mas, no caso de Lázaro, Jesus burlou as regras ressuscitando seu amigo após o período de três dias de doença simbólica.

Nesse ponto, a morte civil teria se tornado absoluta aos olhos dos anciãos legais do Conselho do Sinédrio, e Lázaro teria sido envolto num saco e enterrado vivo.

Seu crime foi de que ele tinha levado a uma violenta revolta popular para salvaguardar o suprimento público de água que tinha sido desviado através de um novo aqueduto romano em Jerusalém.

O que fez Lázaro ressuscitar foi que Jesus executou a libertação, enquanto não possuía nenhum direito sacerdotal para fazê-lo – posteriormente Herodes-Antipas da Galileia obrigou o Sumo Sacerdote de Jerusalém reconhecer o evento sem precedentes.

Havia, no entanto, um pouco mais para a parte removida de Marcos, porque, ao contar a história de Lázaro, o relato deixou perfeitamente claro que Jesus e Maria Madalena eram homem e mulher.

A história de Lázaro agora aparece apenas no Evangelho de João, mas contém uma sequência estranha que tem Marta vindo da casa de Lázaro para cumprimentar Jesus, enquanto sua irmã, Maria Madalena, permanece dentro até ser convocada por Jesus.

Em contraste com isso, o relato original de Marcos relatou que Maria saiu da casa com Marta, mas foi então castigada pelos discípulos e enviada de volta para casa para esperar a instrução de Jesus.

Esta era uma exigência específica da lei judaica, segundo a qual uma esposa em ritual de luto não era permitida sair da propriedade até que instruída por seu marido.

Há muita informação fora da Bíblia para confirmar que Jesus e Maria Madalena foram casados.

Mas há alguma coisa relevante nos Evangelhos de hoje – algo que talvez os editores tenham perdido? Na verdade, existe.

Há sete listas dadas nos Evangelhos das mulheres que eram companheiras regulares de Jesus. Estas listas incluem a sua mãe, mas em seis destas sete listas o primeiro nome dado (mesmo à frente da mãe de Jesus) é o de Maria Madalena, deixando claro que ela era, de fato, a Primeira Dama: a Rainha Messiânica.

Mas o casamento está detalhado nos Evangelhos?
Na verdade, está.

Muitos sugeriram que o casamento em Canaã foi o casamento de Jesus e Maria Madalena – mas esta foi simplesmente a festa de noivado pré-matrimonial.

O casamento é definido pelas unções completamente separadas de Jesus por Maria, em Betânia. Cronologicamente, essas unções (como dadas nos Evangelhos) estavam separadas por dois anos e meio.

Os leitores do século I teriam sido plenamente familiarizados com o ritual de duas partes do casamento sagrado de um Herdeiro Dinástico. Jesus, como sabemos, era um Messias, o que significa simplesmente um “Ungido”.

De fato, todos os sacerdotes anciãos ungidos e reis davídicos eram Messias; Jesus não era único.
Embora não seja um sacerdote ordenado, ele ganhou seu direito ao estatuto de Messias por meio da descendência do rei David e da linhagem real, mas ele não alcançou esse status até que foi ritualmente ungido por Maria Madalena, em sua mestria como sacerdotisa nupcial.

A palavra “Messias” vem do verbo hebraico mashiach: “ungir”, que deriva do messeh egípcio: “o santo crocodilo”. Foi com a gordura do messeh que as noivas da irmã do Faraó ungiram seus maridos no casamento, e o costume egípcio brotou da prática do rei na antiga Mesopotâmia.

Na Canção dos Salomões do Antigo Testamento, aprendemos sobre a unção nupcial do rei. É detalhado o ritual em que o óleo usado em Judah era o unguento perfumado do nardo indiano (um caro óleo da raiz dos Himalaias).

\No Novo Testamento, a unção de Jesus por Maria Madalena foi realmente realizada enquanto ele estava sentado à mesa, e especificamente com o unguento nupcial do nardo indiano.

Depois, Maria enxugou os pés de Jesus com os cabelos e, na primeira ocasião da cerimônia de duas partes, ela chorou. Todas estas coisas significam a unção marital de um herdeiro dinástico.

Outras unções dos Messias (seja na coroação ou admissão no sacerdócio sênior) sempre foram conduzidas por homens: pelo Alto Zadoque ou o Sumo Sacerdote. O óleo utilizado era azeite, misturado com canela e outras especiarias, porém nunca o nardo indiano.

Este óleo era a prerrogativa expressa de uma noiva messiânica que devia ser uma “Maria” – uma irmã de uma ordem sagrada. A mãe de Jesus era uma Maria; assim também sua esposa teria sido uma Maria, pelo título, se não pelo nome batismal. Algumas ordens conventuais ainda mantêm a tradição, acrescentando o título “Maria” aos nomes batismais de suas freiras.

Casamentos messiânicos sempre foram conduzidos em duas etapas. O primeiro (a unção em Lucas) foi o compromisso legal para o casamento, enquanto o segundo (a unção posterior em Mateus, Marcos e João) foi a homologação do contrato.

No caso de Jesus e Maria, a segunda unção era de particular significado para, como explicado por Flávio Josefo nas Antiguidades do século I dos judeus, a segunda parte da cerimônia de casamento nunca foi conduzida até que a esposa estivesse grávida de três meses.

Os herdeiros dinásticos como Jesus eram expressamente obrigados a perpetuar suas linhagens. O casamento era essencial, mas o direito comunitário protegeu as dinastias contra o casamento com mulheres que se mostraram estéreis. Esta proteção foi fornecida pela regra da gravidez de três meses. Os abortos espontâneos não aconteciam frequentemente após esse prazo.

Quando ungiu seu marido naquele estágio, à noiva messiânica foi dito para ungi-lo para o enterro, como confirmado nos Evangelhos. Por isso, a partir daquele dia, ela levaria um frasco de nardo em volta do pescoço, durante a vida de seu marido, para ser usado novamente em seu sepultamento.

Foi com este propósito que Maria Madalena teria ido para o túmulo de Jesus, como fez no sábado após a crucificação.

Depois da segunda unção de Betânia, os Evangelhos relatam que Jesus disse: “Onde quer que este Evangelho seja pregado por todo o mundo, também será feito por memória dela (Maria Madalena)”.

Mas as autoridades da Igreja Cristã honraram Maria Madalena e falaram desse ato como um memorial? Não, elas não; ignoraram completamente a diretriz de Jesus e denunciaram Maria como uma prostituta.

CONTINUA…

Por favor, respeite os créditos ao compartilhar
DE CORAÇÃO A CORAÇÃO – http://www.decoracaoacoracao.blog.br
DE CORAÇÃO A CORAÇÃO – https://lecocq.wordpress.com
Lawrence Gardner, Karenlyster.com
http://www.karenlyster.com/body_bookish1.html
Tradução Vilma Capuano – vilmacapuano@yahoo.com.br
Grata Vilma!

LUZ!
STELA

http://www.decoracaoacoracao.blog.br/2017/05/linhagem-do-santo-graal-parte-iii.html

Anúncios