Parte I    aqui
Parte II   aqui
Parte III  aqui
Parte IV  aqui
Parte V   aqui

Antes da Idade Média, as histórias individuais da família do Graal eram historicamente bem conhecidas, mas quando a Igreja começou seu reinado de perseguição fanática, toda a herança Nazarena e “Desposyni” – Herdeiros do Senhor – forçosamente foram para a clandestinidade.


Nota: A palavra “Desposyni” vem do grego antigo. Significa “Do Mestre” e era reservada exclusivamente para aqueles da mesma família de Jesus – descendentes de Jesus ou dos irmãos dele, Tiago (James), Simão, José e Judas Tomé, ou de suas irmãs Maria, Joanna e Sara.

Mas por que as perseguições vingativas começaram naquele tempo? Pelos Templários terem não só retornado da Terra Santa com documentos que minaram os ensinamentos da Igreja, como também estabeleceram suas próprias igrejas cistercienses em oposição a Roma.

Estas eram, no entanto, não apenas quaisquer igrejas – foram os maiores monumentos religiosos para honrar as linhagens do mundo ocidental:  como a catedral NOTRE DAME, na França.

Apesar da sua imagem atual, essas impressionantes catedrais góticas tiveram nada a ver com a Igreja cristã estabelecida.

Elas foram financiadas e construídas pelos Templários em colaboração com seus aliados cistercienses, e elas foram dedicadas a Maria Madalena – “Notre Dame” (Nossa Senhora) – que eles chamaram de “Graal do Mundo”.

Isto, naturalmente, derrotou todos os dogmas que a Alta Igreja tinha encorajado, e os bispos retaliaram dedicando numerosas outras igrejas a Maria, a mãe de Jesus.

Mas, ao fazê-lo, eles criaram um decreto estrito para que todas as representações artísticas de Mãe Maria (a Madonna) deveriam doravante mostrar-La vestida com “apenas azul e branco” – para não lhe conceder qualquer direito de cargo eclesiástico como no sacerdócio masculino.

Maria Madalena, por outro lado, estava sendo retratada pelos maiores artistas do mundo vestindo o manto vermelho do status cardeal, o manto preto de uma Alta Sacerdotisa Nazarena ou o manto verde da fertilidade, e não havia nada que a Igreja pudesse fazer a respeito.

A única opção dos bispos era proclamar a prática pecaminosa e herege porque, ao ter previamente decidido ignorar Maria Madalena e seus herdeiros, ela estava fora de sua jurisdição.

Foi nessa época que a tradição do Graal foi denunciada como uma heresia pelo Vaticano. As profecias do século VI de Merlin foram expressamente banidas pelo Concílio Ecumênico, e a Igreja Nazarena de Jesus se tornou uma corrente clandestina, auxiliada por notáveis patrocinadores como Leonardo da Vinci e Sandro Botticelli.

Naquela época, a Igreja policiava e controlava a maior parte da literatura do domínio público e assim, para evitar a censura absoluta, a tradição do Graal tornou-se alegórica e sua mensagem foi comunicada por expressões secretas de água, escritos esotéricos, cartas de tarô e obras de arte simbólicas.

Mas por que o conhecimento do Graal e as profecias de Merlin representaram um problema tão grande para a Igreja Romana?

Porque, no contexto de seus textos venturosos, eles contaram a história da descendência da Linhagem do Graal – uma linhagem que tinha sido derrubada de sua posição dinástica pelos Bispos de Roma, que foram eleitos para reinar soberanamente por meio de uma sucessão apostólica elaborada.

Esta sucessão teria sido proferida pelo primeiro bispo, São Pedro (esta ainda é a visão promovida), mas basta consultar as próprias Constituições Apostólicas da Igreja para descobrir que isso simplesmente não é verdade.

Pedro nunca foi um bispo de Roma – nem de qualquer outro lugar para esse assunto! As Constituições do Vaticano registram que o primeiro bispo de Roma foi o príncipe Linus da Grã-Bretanha (filho de Caractacus o Pendragon), que foi instalado por São Paulo em 58 dC, durante a vida de Pedro.

Desde os anos 1100, os poderosos Cavaleiros Templários e suas catedrais representaram uma enorme ameaça à Igreja masculina, trazendo a herança de Jesus e Maria Madalena para o domínio público.

Os cardeais sabiam que toda a sua instituição desmoronaria se os descendentes messiânicos ganhassem vantagem. Eles tinham que ser esmagados – e assim a inquisição brutal foi implementada: uma perseguição hedionda de todos os que se opunham ao governo dos bispos.

Tudo começou em 1209, quando o papa Inocêncio III enviou 30.000 soldados para a região de Languedoc no sul da França.

Esta era a casa dos Cátaros (os Puros), que se diziam os Guardiões de um grande e sagrado tesouro – um misterioso segredo que poderia derrubar o Cristianismo ortodoxo.

A chamada Cruzada Albigense do Papa durou trinta e seis anos, durante os quais dezenas de milhares de inocentes foram mortos – mas o tesouro nunca foi encontrado.

Em 1231, o principal impulso da Inquisição (ou chamado Santo Ofício) foi instituído pelo Papa Gregório IX durante o massacre de Languedoc, e foi colocado contra qualquer um que apoiou a heresia do Graal.

Em 1252 a tortura das vítimas foi formalmente autorizada, juntamente com a execução por queima. A heresia era uma ótima acusação para igualar os prisioneiros, porque só a Igreja podia defini-la. As vítimas foram torturadas até que confessassem e, tendo confessado, foram executadas. Se não confessassem, então a tortura continuava até que morressem de qualquer maneira.

Uma forma registrada de tortura era espalhar gordura na vítima e, em seguida, queimá-la viva. Estas perseguições e torturas selvagens foram abertamente travadas por mais de 400 anos, sendo estendida contra judeus, muçulmanos e dissidentes protestantes.

Mas a Inquisição Católica nunca foi formalmente encerrada. Já em 1965 foi renomeada a Sagrada Congregação e seus poderes ainda estão teoricamente em vigor hoje.

Destemido na Inquisição, o movimento nazareno seguiu seu próprio curso, e a história da linhagem foi perpetuada na literatura, como o Magnificente Santo Graal e a Superior História do Santo Graal.

Esses escritos foram em grande parte patrocinados pelos tribunais do Graal da França (os tribunais de Champagne, Anjou e outros) e também pelos Templários e Desposyni. No decorrer disso, o romance Arthuriano tornou-se um veículo popular para a tradição do Graal.

Consequentemente, os Templários tornaram-se um alvo específico da Inquisição em 1307, quando os fascínoras homicidas, enviados por Papa Clemente V e Rei Filipe IV da França foram postos em sua direção.

Os exércitos papais vasculharam a Europa para encontrar os documentos e o tesouro dos Templários, mas, como a herança cátara, nada foi encontrado. No entanto, muitos Cavaleiros foram torturados e executados no processo.

Em tudo isso, no entanto, o tesouro dos Templários não foi perdido e, enquanto os emissários do Vaticano estavam procurando, o tesouro e os documentos foram trancados nos cofres da Casa do Tesouro de Paris.

Eles estavam sob a proteção dos Superiores Cavaleiros Templários – aqueles chamados Príncipes Guardiões do Segredo Real – que carregaram o tesouro uma noite em 18 galeras da frota Templária em La Rochelle.

Ao amanhecer, os navios tinham zarpado para vários destinos – principalmente Portugal e Escócia. Estes foram recebidos pelo rei Robert Bruce, que, juntamente com toda a nação escocesa, fora excomungado pelo Papa por desafiar o rei católico Eduardo de Inglaterra.

Os Templários e seu tesouro permaneceram na Escócia, e os Cavaleiros lutaram junto com Bruce em Bannockburn em 1314 para recuperar a independência da Escócia, de Plantagenet Inglaterra.

Após a Batalha de Bannockburn, Bruce e os Príncipes Guardiões fundaram a nova Ordem dos Irmãos Maiores da Rosa Cruz em 1317 – a partir da qual os Reis dos Escoceses tornaram-se Grão-Mestres hereditários, com cada Rei Stewart sucessivamente detendo o honrado título de Príncipe Saint Germain.

Mas, por que o rei Arthur, um comandante celta do século VI, era tão importante para os Cavaleiros Templários e os tribunais do Graal da Europa? Muito simplesmente, porque Arthur tinha sido único, com uma dupla herança na linha messiânica.

O Rei Arthur não era de modo algum mítico, como muitos supuseram, mas ele geralmente foi procurado nos lugares errados. Pesquisadores, equivocados pelas localizações ficcionais dos romances, procuraram em vão através das crônicas da Bretanha, País de Gales e Oeste da Inglaterra.

Mas os detalhes de Arthur são encontrados nos anais escoceses e irlandeses. Era certamente o rei maior da ilha celta e era o comandante soberano das tropas britânicas no século VI.

Arthur nasceu em 559 e morreu em batalha em 603. Sua mãe era Ygerna del Acqs, a filha da rainha Viviane de Avallon, descendente de Jesus e Maria Madalena.

Seu pai era o Alto Rei Aedàn de Dalriada (o Western Highlands da Escócia, agora chamado Argyll), e Aedàn era o Pendragon britânico (Dragão Principal ou Rei dos Reis) descendente do irmão de Jesus, Tiago (James).

É por esta razão que as histórias de Arthur e José de Arimatéia estão tão intimamente entrelaçadas nos romances do Graal. Na verdade, os registros de coroação do rei da Escócia Kenneth MacAlpin (um descendente de Aedàn o Pendragon) especificamente se referem à sua própria descendência das Rainhas dinásticas de Avallon.

O legado paterno do Rei Aedãn surgiu através da mais antiga Casa de Camelot (Corte Real de Colchester) em uma linhagem do primeiro Pendragon nomeado, o Rei Cymbeline, que é bem conhecido pelos estudantes de Shakespeare.

Até o século VI, descendentes messiânicos tinham fundado reinos Desposynic no País de Gales e através das regiões Strathclyde e Cambrian da Grã-Bretanha.

O pai de Arthur, o rei Aedàn dos escoceses, foi o primeiro monarca britânico nomeado por ordenação sacerdotal quando foi ungido por São Columba da Igreja Celta em 574.

Isto, naturalmente, enfureceu os bispos romanos porque reivindicavam o direito exclusivo de nomear reis que, de acordo com eles, deveriam ser coroados pelo Papa!

Como resultado direto desta coroação, Santo Agostinho foi eventualmente enviado de Roma para desmantelar a Igreja Celta quando St Columba morreu em 597. Ele se proclamou Arcebispo de Canterbury três anos depois, mas sua missão geral falhou e a tradição nazarena persistiu na Escócia, Irlanda, País de Gales e em todo o norte da Inglaterra.

Um fato importante a ser lembrado é que as dinastias do Graal nunca foram governadoras de territórios/terras. Como o próprio Jesus, elas foram designadas Guardiãs do Povo. Os merovíngios na Gália, por exemplo, eram reis dos franceses – nunca reis da França.

O rei Aedàn, Robert the Bruce e seus sucessores de Stewart foram Reis dos Escoceses – nunca Reis da Escócia. Foi este conceito implicitamente social que a alta igreja achou tão difícil de superar, pois os bispos preferiam ter domínio sobre reis territoriais que foram autorizados pelo papa.

Somente mantendo o supremo controle espiritual sobre os indivíduos poderia a Igreja reinar de forma suprema, e assim sempre que uma dinastia do Graal veio à tona, ela foi recebida pela ira da máquina papal.

Em 751 os bispos conseguiram destituir a sucessão merovíngia na Gália e estabeleceram uma nova tradição segundo a qual os reis da sucessão carolíngia (a de Carlos Magno) tinham de ser aprovados e coroados pelo Papa.

Mas a Igreja nunca poderia derrubar as linhagens Desposynic na Escócia, apesar de os antigos reinos celtas da Inglaterra serem desmantelados pelos anglo-saxões germânicos do século VI.

Mesmo na Idade Média – muito depois da Conquista Normanda da Inglaterra – a Igreja Nazarena e o longo culto prevalecente de Maria Madalena foram proeminentes na Europa.

Os direitos de igualdade das mulheres foram mantidos em toda a estrutura celta, e este era um problema enorme para o exclusivo sacerdócio masculino do igrejismo ortodoxo.

O princípio subjacente aos monarcas do Graal era sempre um de Serviço, de acordo com o Código Messiânico. Portanto, eles eram reis e pais coletivos/familiares de seus reinos, mas nunca foram governantes.

Este aspecto fundamental do Código do Graal foi perpetuado no próprio âmago do conto infantil e do folclore. Nunca um valente cardeal ou bispo cavalgou em auxílio de alguém oprimido ou uma donzela em perigo, pois sempre foi o domínio social dos príncipes do Graal e seus cavaleiros nomeados.

O Código do Graal reconhece o avanço pelo mérito e reconhece a estrutura da comunidade, mas acima de tudo é inteiramente democrático.

Seja compreendido em sua dimensão física ou espiritual, o Graal pertence também a líderes e seguidores. Ele também pertence à terra e ao meio ambiente, exigindo que todos estejam em um Serviço mutuamente unificado.

Ao longo dos séculos, os parlamentos e os governos tiveram tanto problema como a Igreja em confrontar o código social messiânico, e a posição não é diferente hoje.

Presidentes e primeiros-ministros são eleitos pelo povo.
Eles são supostos para representar as pessoas – mas eles o fazem? Na verdade, não.

Eles são sempre afiliados a um partido político e alcançam suas posições por meio de voto da maioria do partido. Mas nem todos se dão ao trabalho de votar e às vezes há mais de dois partidos para votar.
Consequentemente, em qualquer momento, mais da metade do povo de uma nação pode não ser representada pelo partido político no poder.

A este respeito, embora tenha sido aplicada uma votação por maioria, o princípio democrático falha. O que emerge não é “governo PELO povo PARA o Povo”, mas “governo do povo”.

Jesus enfrentou uma situação muito semelhante no século I. Naquele tempo, Jerusalém e Judéia estavam sob ocupação romana, com o rei Herodes e o governador, Pôncio Pilatos, ambos nomeados por Roma.

Mas quem representou o povo?

O povo não era romano; eram judeus da Terra Santa: fariseus, saduceus, essênios e outros semelhantes. Além disso, havia um grande número de samaritanos e gentios (não-judeus, as raças árabes).

Quem os representou?
A resposta é “ninguém” – até que Jesus cumpriu a sua missão de fazê-lo.

Este foi o começo do Código do Graal do Serviço principesco não-afiliado: um código perpetuado pelas dinastias messiânicas em seu papel continuado como guardiões das pessoas.

O Código do Graal baseia-se nos princípios da Liberdade, da Fraternidade e da Igualdade, e foi particularmente evidente nas revoluções americana e francesa, as quais descartaram o senhorio da aristocracia despótica. Mas o que o substituiu?

Ele foi substituído pela política partidária e pelo governo em grande parte não-representativo.

Muitas pessoas me perguntaram por que as informações da Linhagem do Santo Graal, até agora suprimidas, estão vindo à luz neste momento particular. O fato é que a informação nunca foi suprimida por aqueles a quem ela diz respeito.

Elas foram suprimidas por buscadores de poder que procuraram servir seus próprios interesses, ao invés de servir as comunidades que deveriam representar.

Hoje, no entanto, estamos em uma nova era de questionamento conforme muitas pessoas crescem desiludidas com os dogmas que prevalecem.

Vivemos em uma era de comunicações via satélite, viagens contra a barreira de som, computadores e Internet – o mundo é efetivamente muito menor do que antes. Em tal ambiente, as notícias viajam muito rapidamente e a verdade é muito mais difícil de conter.

Além disso, a própria estrutura da Igreja dominada pelos homens e as estruturas governamentais estão sendo questionadas, e geralmente é percebido que as antigas doutrinas de controle espiritual e gestão territorial não estão funcionando.

Mais e mais pessoas estão procurando as raízes originais e puras da sua fé e para seu Propósito na sociedade.

Elas procuram formas mais eficazes de gerência para combater o desmoronamento muito aparente, e declínio, social e moral.

Elas estão, de fato, buscando o Santo Graal.

Esta busca pela nova iluminação é consideravelmente aumentada pelo novo milênio que chega e há um sentimento generalizado de que isso também deve apresentar um novo Renascimento: uma era onde os preceitos do Código do Graal são reconhecidos e praticados – os preceitos da Liberdade, da Fraternidade e Igualdade.

De fato, a sabedoria do Graal explica em voz alta e clara que a Ferida do Rei Pescador deve primeiro ser curada se a terra inculta (o deserto da humanidade) voltar a fertilizar.

* Sir Lawrence Gardner é da Ordem da Nobre Guarda de St Germain, fundada pelo Rei James VII da Escócia em 1692. E designado o Historiador Jacobino Real, distinguido como Cavalheiro Labhràn de St. Germain, Adido Presidencial ao Conselho Europeu de Príncipes, Prior da Sagrada Igreja Celta de St Columba, Cavaleiro Templário de St. Anthony, Membro da Guarda da Casa Real de Stewart, fundada em 1692, e Adido para o Protetorado Principal do Tribunal Imperial da Hungria (1408).

Por favor, respeite os créditos ao compartilhar
DE CORAÇÃO A CORAÇÃO – http://www.decoracaoacoracao.blog.br
DE CORAÇÃO A CORAÇÃO – https://lecocq.wordpress.com
Por Lawrence Gardner, Karenlyster.com
http://www.karenlyster.com/body_bookish1.html
Tradução Vilma Capuano – vilmacapuano@yahoo.com.br
Grata Vilma!

LUZ!
STELA

http://www.decoracaoacoracao.blog.br/2017/05/linhagem-do-santo-graal-final.html